CEO Clínica, Centro de Excelência em Oftalmologia

CENTRAL DE ATENDIMENTO
37 3237-460037 99936-6829

Tratamentos

Implante de Anel de Ferrara

Ceratocone é uma doença ectásica da córnea, caracterizada por um afinamento progressivo e não inflamatório, de etiologia desconhecida, na qual a córnea assume um formato cônico com a presença de astigmatismo irregular progressivo e deterioração da acuidade visual.

Na tentativa de prevenir ou adiar o transplante de córnea, o implante do Anel de Ferrara tem sido uma opção na correção cirúrgica do ceratocone, uma vez que se trata de procedimento menos invasivo (extra-ocular), reversível e ajustável. Nada impede que se realize o transplante penetrante, caso a cirurgia do anel não alcance o resultado esperado.

O  Anel de Ferrara tem sido utilizado, com sucesso, para corrigir doenças da córnea como ceratocone, com o intuito de reduzir a curvatura corneana, reduzir o astigmatismo irregular e melhorar a acuidade visual.

Estudos demonstram que pacientes submetidos a este procedimento (implante de anel de Ferrara) apresentaram rápida melhora da acuidade visual, com início no primeiro dia de pós operatório e se estabilizando em torno de três meses com redução da refração e ceratometria. Pacientes intolerantes a lentes de contato no pré-operatório podem utilizá-las confortavelmente com uma melhor adaptação como conseqüência da melhora da superfície ocular após o  implante do anel de Ferrara.



Perguntas:

A cirurgia é reversível?
Sim, caso haja necessidade de remoção dos segmentos de anel a córnea volta ao se estado pré-implante de anel.

Como é a anestesia e procedimento cirúrgico?
A cirurgia é realizada sob anestesia tópica e dura em torno de 10 minutos. O procedimento é indolor.

Como é a recuperação visual?
Há certa flutuação da visão nos 3 primeiros meses apos a cirurgia, com estabilização a partir de então.

Quais são as indicações para cirurgia?
Pacientes com ceratocone em evolução e/ou intolerantes a lentes de contato.

O ceratocone estabiliza após o implante do anel?
Na maioria dos casos, sim. Em 15% dos casos pode haver evolução apesar do anel. Os casos que apresentam maior risco de evolução apesar do anel são: 1) Crianças ou pacientes muito jovens; 2) Ceratocone avançado.

A cirurgia tem efeito duradouro?
Estudos recentes, com acompanhamento de pacientes operados há mais de 10 anos mostram que o resultado é duradouro.

Caso necessário o transplante no futuro, o mesmo poderá ser feito?
O anel não impede, caso seja necessário, transplante de córnea no futuro.

Qual é o material do anel?
O anel é feito de PMMA, um acrílico biocompatível, o mesmo utilizado em lentes intraoculares para cirurgia de catarata.

Qual é a incidência de complicações no procedimento?
Muita baixa. Em torno de 3%.

Quando não indicar o anel?
Em ceratocones muito avançados, nestes casos o tratamento ideal é o transplante de córnea. Quanto mais cedo for implantado o anel, melhor é o resultado.

MAIS INFORMAÇÕES?